Alegria, loucura e amor: isso é Galo. Isso é Luan

Chateado com algumas vaias, o menino maluquinho do Galo, que ninguém me tira da cabeça ser filho do Maradona, abaixou a crista. Calma aí, Luan. Essa turma que está pegando no seu pé é minoria. A Massa te acolheu, te recebeu de braços abertos e te tem como representante dentro do campo. Afinal de contas, você é 100% Galoucura, Esquadrão, Galo Metal, Galo Prates etc…

Com espírito atleticano, nosso mascote ganhou a torcida antes mesmo de vestir o manto sagrado. Ainda jogador da Ponte Preta, foi flagrado, no banco de reservas, cantando o hino atleticano no Independência, nosso Palácio do Horto. Não se conteve com a energia da Massa e se encantou logo pelo mais amado e doido Galo do planeta.

“Vencer, vencer, vencer. Esse é o nosso ideal”. O nosso, Luan. O meu, o seu e o de todo atleticano. E juntos, vencemos. Saímos do hino e fomos para a prática. Vencemos a Libertadores – e teve gol seu contra o Tijuana, lá no México, em uma partida que já parecia perdida. Vencemos a Recopa. E teve gol seu naquele jogo maluco – bem ao seu estilo – contra o Lanús. Vencemos a Copa do Brasil. Aí teve foi show seu, que nos ajudou a enterrar corintianos e flamenguistas, além de deitar e rolar pra cima das Marias.

E se não bastasse fazer um dos gols na primeira partida da decisão, lá foi você, com seu estilo único, aos microfones para dizer o que qualquer alvinegro gostaria de gritar: “É verdade. Tremem mesmo”. Você é maluco dentro de campo e muito mais fora dele. Sai do politicamente correto. E é disso que a Massa gosta. Desconfio, inclusive, que você andou trabalhando na BHTrans no final do ano. Aquela história do letreiro tem a sua cara. A nossa. A minha, a sua e da Massa.

Portanto, meu caro, não dê ouvidos às vaias de meia-dúzia que vêm da arquibancada. A Massa te idolatra e todos nós sabemos que você não combina com tristeza e muito menos com outras cores que não sejam o preto e branco do Galo. O preto e branco da alegria que toma conta destas Minas tão Gerais que já são quase suas.

Sobre ser valorizado no clube, aí é outro papo. Cabe ao presidente. A caneta é dele. Se fosse da Massa, você teria essa valorização. Mas só há uma maneira de conseguir esse objetivo: continuar jogando com a raça de sempre e com o respeito que você sempre demonstrou pelo manto. Faça a sua parte dentro de campo que o reconhecimento virá. Seja doido. Seja Galo Doido. Seja louco. Seja Galoucura. Isso desmonta qualquer esquema adversário e cativa a mais cativante de todas as nações. E deve fazer a caneta presidencial funcionar também….

 

Foto – www.camisadoze.net

 

Compartilhe!
  • 23
  •  
  •  
  •  
  •  
    23
    Shares

Deixe sua Opinião