Até logo Mestre.

Fevereiro de 2005, um gaúcho chamado Adenor Leonardo Bacchi ou simplesmente Tite, deixava o comando do Corinthians após diversas intervenções no comando do Corinthians, por parte do diretor da Parceira MSI Kia Joorabchian. Sem saber, profetizava a frase que ficará na história do Corinthians:

“Um dia eu volto para terminar o que não deixaram”.

E ele voltou. Voltou em uma fria, em 2010, após queda de Adilson Batista, que não conseguiu manter o padrão de jogo e de vitórias que seu antecessor Mano Menezes havia deixado. E qual seria o primeiro adversário que Tite enfrentaria em seu retorno? Palmeiras. E voltou vencendo. Aliás, terminou os últimos oito jogos de 2010 com 5 vitórias e 3 empates.

O que ele fez após seu retorno esta na história e o credencia como maior vencedor dos 103 anos de história do Corinthians, sendo Campeão Paulista, Brasileiro, Libertadoras Invicta, Mundial e Recopa Sul-Americana.

Mais que isso, Tite libertou cada um de nós Corinthianos com essas conquistas e soube administrar o ego de um elenco vencedor, além de sempre pensar antes de falar cada palavra nas coletivas e reportagens. Disse que o atual técnico da Seleção Brasileira “falava muito”, se juntou a torcida na arquibancada e torceu como um Louco a passagem para a final da libertadores. Respirou Corinthians.

Como no futebol Brasileiro sempre que um treinador chega ao auge o ciclo acaba, Tite e a diretoria Corinthiana anunciaram hoje que a parceria tão vitoriosa chegará ao fim assim que encerrado o Brasileiro deste ano.

A você Professor Tite meu muito obrigado por todas essas conquistas, e mais que isso, muito obrigado por se dedicar como um legitimo Corinthiano em cada um dos dias em que comandou a nação mais louca deste país. Dia 23 serei mais um a te exaltar em sua despedida do Pacaembu este ano.

Assim como você disse em 2005 que retornaria para terminar o que não deixaram, hoje é nossa vez de dizer:

“Aguardamos você em um futuro próximo. Até logo Mestre”.

 

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe sua Opinião