Corinthians 2013 – Problemas Táticos e políticos.

Que o Corinthians não vem jogando um futebol digno de ser o atual campeão mundial, todos já sabemos. Mas qual é o principal problema do Corinthians? Em minha opinião, o alvinegro da capital vem acumulando em 2013, além de problemas táticos, problemas políticos.

Enumerar os possíveis problemas táticos da equipe não é fácil. A saída do Paulinho foi a primeira delas. Com a saída do talentoso meia para o Tottenham da Inglaterra, o Corinthians perdeu o fator surpresa da equipe, o jogador que fazia algo de diferente nos momentos de dificuldade. Outro jogador Polivalente que Tite utilizava como fator surpresa, era Jorge Henrique, que assim como Chicão, encerrou sua passagem pelo Corinthians este ano, após transferência para Inter e Flamengo, respectivamente.

Após diversas mudanças na equipe, Tite enfim encontrou o time ideal, com a entrada de Guilherme e Renato Augusto entre os titulares. Após algumas rodadas, os dois ficaram afastados por lesão.

Com todas estas lesões, hoje é fácil dizer que deveriam ter ido atrás do Elias, em seu retorno ao Brasil. Mas quem poderia acreditar que haveria tantos problemas? Contratar Elias antes da saída do Paulinho, seria jogar na cara do Guilherme que ele não seria capaz de suprir a ausência do volante, afinal, Elias não viria para ser reserva da equipe.

Além das lesões que vem atrapalhando a formação do elenco pelo Técnico Tite, as seguidas convocações de Pato para Seleção Brasileira e de Guerrero para Seleção Peruana, fez com que o time não mantivesse um padrão tático, e assim não conseguisse desempenhar um grande futebol. Somando isso a queda de rendimento de Danilo e Romarinho, que não estão jogando o futebol de 2012 e Alexandre Pato, que até o momento não rendeu o esperado para uma contratação de R$ 40 Milhões.

Desta forma, o problema tático do Corinthians não passa somente por uma única vertente, e sim, por diversos problemas de percurso os quais não estavam nos planejamentos da diretoria e Comissão Técnica para este ano.

Nesta altura do texto, vocês devem estar se perguntando: “Mas o que tem a ver os problemas políticos?”.

A oposição de Andrés Sanchez à Marco Polo Del Nero na CBF e ao ninho de ratos da Conmebol, irá prejudicar o time nos bastidores das competições. E de uma coisa eu não tenho dúvidas, todo time campeão tem sim bastidores políticos fortes.

Para citar como exemplo sobre este assunto, esta semana o Corinthians foi punido pela CBF com dois mandos de campo, pelos sinalizadores utilizados contra o Luverdense em Lucas do Rio Verde. E isso gerou muita reclamação de torcedores e dirigentes do Timão.

Isso porque quinze dias antes de ter jogado com o Luverdense, o mesmo Corinthians jogou em Santa Catarina contra o Criciúma e teve o jogo interrompido por sinalizadores da torcida local durante mais de 5 minutos. Isso sem falar na perda de mando de campo, devido a briga de torcedores no confronto junto ao Vasco em Brasília.

São erradas as punições ? De forma alguma. Mas como disse o diretor de futebol do Corinthians Roberto de Andrade: “Contra o Corinthians, é mão de ferro. Contra os outros, é mão de pena”.

Corinthians vem cometendo os mesmos erros políticos cometidos pelo São Paulo de Juvenal Juvêncio de 2008 até este ano, onde o presidente tricolor colocou a cara a tapa em muitos assuntos e acabou criando inimizades junto aos dirigentes da CBF, mesmo tendo razão em muitos de seus argumentos.

Mesmo em meio a uma pequena crise, um brinde ao nosso Coringão.

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe sua Opinião