De quarta pra quarta…

Que diferença! Que vontade! Que determinação! Que vitória!

Não há nada mais cíclico e apaixonante que o futebol. Há exatos 7 dias, eu (e todos os cidadãos tricolores pelo mundo que assistiram a vexatória eliminação frente ao Bragantino) pedia explicações para o ocorrido.

Após a partida de ontem, sou obrigado a compartilhar da mesma opinião que Muricy Ramalho sempre pregou: “Nem tudo é maravilhoso após uma vitória, e nem tudo é desesperador após uma derrota”.

Imagino um rapaz do Camboja, que não tem muito contato com o futebol brasileiro, e por ventura veio passar uns dias no Brasil. Sem muita programação na semana passada, acabou ligando a TV e assistindo uma partida de futebol entre dois times chamados São Paulo e Bragantino. Dormiu na metade do segundo tempo e sequer lembrou do jogo na manhã seguinte.

Passados alguns dias de intensas festas na noite brasileira, este mesmo rapaz, de ressaca acumulada, resolveu descansar na noite passada. Deitou em sua cama, procurou um bom filme, mas acabou se rendendo à programação da TV que transmitia mais um jogo de futebol.

Este, por sua vez, tinha Kaká em campo. Famoso também no Camboja. Isso, por si só, já chamou a atenção naquele jogo. Bem disputado, bem marcado, bem jogado. Sem conseguir pregar os olhos, assistiu uma bela partida de futebol, da forma como diziam sobre o tal futebol brasileiro.

Ao final do jogo, antes de dormir, exalava um bom sentimento após aquela noite ‘debutante’ no futebol brasileiro: “Gosto desse tal de São Paulo, time do Kaká. Vai ser meu time no Brasil. Nem se compara com aqueles times horríveis que assisti na semana passada.”

É. O time com Kaká em campo parece mesmo outro completamente diferente. Tira o peso de fracos e medianos, contagia todos pela vontade e determinação e ainda transmite uma confiança incomparável aos companheiros e à torcida. Poupar, suspender ou se machucar, NUNCA MAIS!

E assim vamos chegando! E atraindo olhares pelo Brasil e fora dele…

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe sua Opinião