E o Boi manda o Inter pastar

Já virou rotina. O buggy Tricolor nas gigantescas dunas do final de 2013 está percorrendo seu caminho no modo “com emoção”. E foi assim, mais uma vez, em Caxias do Sul. Mais um jogo onde cego desligou a TV e surdo quebrou o rádio. Já o mudo berrava aclamando pelo fim do jogo.

De uma fase em que a bola batia nas três traves e não entrava a nosso favor, enquanto batia nas costas de Rogério e entrava do outro lado, para uma fase onde a competência e a sorte caminham lado a lado a nosso favor.

Durante os últimos anos, questionei incessantemente a condição física do nosso time, que notavelmente era inferior aos adversários. Com a chegada da comissão técnica comandada por Muricy, finalmente temos novamente um time bem preparado fisicamente. Exemplo maior disso foi a seqüência de três batalhas, todas foras de casa, nos últimos 7 dias (considerando ainda o desgaste com os deslocamentos para Salvador, Santiago e Caxias do Sul). A superação física da equipe foi fator determinante para alcançarmos as três vitórias.

Ninguém melhor do que Aloísio para representar a nova cara que Muricy deu ao Tricolor, líder do returno (ahh se Muricy chegasse antes). O Boi Bandido está no seu auge. Raça, vontade, personalidade e voadoras o fizeram cair nas graças da torcida. Em uma fase onde pênalti não entrava mais, Aloísio deu a cara a tapa, pediu a bola e converteu os dois tentos com maestria. Longe de ser craque, mas perto de ser exemplo do tipo de jogador que qualquer torcedor queria.

Para quarta-feira, Muricy confirmou a volta de Luís Fabiano. Portanto, com o retorno do tal “Fabuloso”, e a impossibilidade de sacar Aloísio da equipe neste momento, Ademílson (que vem cumprindo bem seu papel), deve ceder sua vaga. Desta forma, Aloísio voltaria a ser uma espécie de segundo atacante. Porém, todos vimos que seu rendimento cresceu significativamente atuando como legítimo centroavante.

Desculpe Muricy, mas era hora de peitar o ineficiente camisa 9.

 

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe sua Opinião