E sábado começa a Copa do Mundo. Tirem o bife do forno!

A festa acabou! Aquelas duas semanas de hospitalidade aos gringos foi muito bacana. Recebemos a maioria deles (com exceção de alguns argentinos) de forma calorosa e divertida. Nos abraçamos a chilenos, mexicanos, colombianos. Nos simpatizamos por uruguaios, costarriquenhos e holandeses. Acabou!

Agora começa a Copa do Mundo no Brasil. Azar de ingleses, espanhóis e italianos que saíram antes mesmo dela começar. É como ir para aquela formatura e só participar da parte chata da entrega de diplomas. Enquanto todos se encaminham para a festa, você vai embora triste pois ficou sem convite.

Agora, a porra ficou séria!

Apesar de não termos feito uma primeira fase brilhante, fizemos nosso feijão com arroz. Sabemos que a batata e o bife também já poderiam ter saído do forno, mas ainda não pudemos nos deliciar com tal banquete. Não tem problema. O feijão com arroz sustentou até a próxima refeição.

Neymar não foi genial como pode ser. Mas brilhou (e muito!) até o momento, provou que tem estrela e é o artilheiro de sua primeira Copa do Mundo. Ele é o diferente e é quem pode nos trazer a taça. Fred tirou a zica e anotou seu primeiro. Tomara que primeiro de muitos, pois no Brasil, hoje, não temos um 9 melhor que ele. Quem critica ele quer prefere entrar com Jô???

A defesa me parece segura, apesar de mais um vacilo de Dani resultar em gol adversário. Diferente do Barcelona, Dani é lateral na seleção (e não ala). Essa obrigatoriedade de marcação, por vezes, faz com que ele deixe o time manco. Isso seria corrigido (e foi) com a entrada de Fernandinho, que além de uma cobertura bem eficaz, melhorou muito a saída de bola. Ao lado de Luiz Gustavo, que para mim é o melhor e mais regular jogador brasileiro na Copa, Fernandinho entrou pra ficar. Essa dupla de volantes parece ser a ideal para os próximos jogos, já que Paulinho esqueceu seu futebol lá em 2013.

O que não me conformo é com a intocabilidade de Oscar. Tanto diante do México, como frente a Camarões, Oscar teve participação pífia no jogo. O ´teoricamente responsável´ pela ligação com o ataque não funciona. Resultado: bicão da zaga para os homens de frente. Acho que, mais do que sua ineficiência em campo, a falta de vibração do Oscar me irrita muito.

Enquanto isso, na concentração argentina, jogadores cantam unidos a música de provocação aos brasileiros. A energia que passa o vídeo divulgado é contagiante. Pena que não temos uma música decente para revidar. Nossos jogos continuam calados, ou ouvindo um chato e oldfashion “sou brasileeeeeeiroooo, com muito orgulhooooo”. Como eu queria uma música igual a essa deles para cantar abraçado com meus amigos no bar, voltando no metrô, ou até mesmo sozinho em casa e ficar rouco todo dia.

A Copa do Mundo vai começar! Com música ou sem, a partir de agora é guerra atrás de guerra. Quem gritava de forma amigável  CHI CHI CHI LE LE LE, não pode mais. Agora é guerra, e nossa primeira batalha é contra eles.

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Comentários encerrados.