Eu printei, Celinho!

Salve Nação Azul!

Celinho, meu caro!
Você se lembra do que me disse ao fim do jogo de ida?
Aquele 3×3 com um empate heroico do seu Palmeiras…

Acho que o calor da emoção lhe subiu à cabeça quando você chamou o meu Cruzeiro de timeco, dizendo que a vaga já era sua!
E me mandou printar!!!!

Eu printei nossa conversa, sim!
Deixei guardada para esse hora.
Printei por vários motivos que vou explicitar agora.

Primeiro: o meu Cruzeiro não é um timeco.
E não posso aceitar um torcedor de um time ‘grande pero rebaixado’ como o Palmeiras vir galhofar do meu Cruzeiro.
Grande é a Rússia, Celinho.
PORQUE O MEU CRUZEIRO É GIGANTE!

Você sabe que o seu coração fez besteira ao final daquele 3×3 ao se auto-proclamar semifinalista.
Bastava olhar a história para ver.
Pois se você se lembra de Paulo César falhando e Oséas metendo gol espírita em 98, eu me recordo é de Marcelo Ramos.
E de Nonato, de Palhinha.
Do Dida, Celinho!
Lembra?

E do Sorín!
Ontem, quando sem merecer o Palmeiras abriu o placar já no quarto final de jogo, vi meu lateral encarnar Sorín e anotar de cabeça, como centroavante, o tento que carimbou nossa passagem para a próxima fase e selou seu desembarque.

Amigo, aprenda: não dá para prognosticar nenhum jogo entre esses Palestras.
Tem muita história nesse meio.
Muito menos duvidar do meu Cruzeiro!

Meu Cruzeiro tem derrapado, sim.
Dentro e fora de campo.
Sigo sem entender a repentina desilusão com o Ábila.
Ontem, quando tomamos o gol, Mano deve ter se arrependido amargamente ao olhar para o banco e ver que só tinha o Raniel.

Mas o menino não se acanhou. Estava lá chateando a defesa verde quando saiu o gol de empate.
Carregou e prendeu a bola lá longe, no ataque, quando precisava ganhar segundos preciosos.
Atuou como um veterano.

Como o Murilo.
Que ontem barrou o Manoel e jogou muito, de novo, com sossego e classe.
Bom ver nossa base voltar a trazer alegria.
Alisson tocando o terror lá na frente.
Élber entendendo que futebol não se faz sozinho e sendo importante taticamente.

Ahhh, Celinho.
Eu quase fui embora desse texto sem lhe informar uma coisa.
Anteontem foi aniversário do Dirceu Lopes, o Príncipe da bola.
Ontem, de Nelinho.
Pouco peso, não é?
Só esses dois botam fogo na história inteira da turminha de lá.

Eram os deuses já conspirando a nosso favor.
A nos avisar que o melhor da árvore é esperar pela fruta amadurecer.
Porque quem morre de véspera é só o peru. E as galinhas!!!!

Por fim os saúdo, como bom palestrino: Avanti, meu Cruzeiro!

Abraços a todos.
Saudações celestes, fiquem com Deus!
Até a próxima!

por Rogério Lúcio
Twitter: @rogeriolucio77

(Foto: Juarez Rodrigues/EM DA Press)

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe sua Opinião