Existe um grande clube na cidade

No último domingo, na Toca da Raposa 3, o Cruzeiro mais uma vez fez valer esta frase que abre nosso hino recheado de glórias e transformou em verdade toda a mentira contada no dia 1 de abril, lá no estádio do América. Com uma festa fantástica da torcida (vale ressaltar que já virou pleonasmo falar que a torcida do Cruzeiro fez uma festa linda), com quase 50 mil presentes no gigante da Pampulha, começamos logo aos três minutos de jogo a colocar as coisas em seus devidos lugares, o final todo mundo ja sabe.

Como já havia escrito na última coluna, precisávamos de mudanças nas peças de jogo, mas, mais importante de tudo era a mudança de postura e da maneira como os jogadores encarariam a partida, ainda mais se tratando da finalíssima. E foi o que vimos, um time vibrante, que não deixou o time da federação respirar desde o primeiro minuto e com o gol tivemos a certeza que o título não seria de outro time que não fosse o Maior de Minas.

Essa vitória e título representaram mais do que o jogo em si, devolveram a moral do time perante os adversários que havia ficado abalada após os dois últimos jogos, contra o rival e contra o Vascaiu da Gama, pela Libertadores. Com certeza a postura dos nossos próximos adversários será outra depois que presenciaram a remontada do time celeste num jogo quase perfeito.

Em outro nível, serviu pra colocar o time de Vespasiano em seu devido lugar, porque a semana após o primeiro jogo foi de tanta soberba e provocações que já eram os campeões de 2018 e a imprensa veio junto na onda desta empolgação, citando o treinador deles como um Midas(pesquise no Google), grande estrategista e gerenciador de elenco e bla bla bla. Ficamos calados, na nossa, somente observando e confiando em nosso elenco e que o futebol apresentado desde 2017, não sumiria por três jogos consecutivos.

Hoje estou aqui comemorando como Campeão Mineiro e rindo da cara daqueles amigos que me infernizaram a semana. Só tenho a agradecer a eles pois todos foram devidamente respondidos na medida de suas provocações. Outro que deve estar com a cabeça inchada é o jogador do cheirinho, senhor Otero. Muito obrigado por fazer nossos jogadores entrarem em campo com mais sangue nos olhos ainda. Valeu também por ter caído na pilha do nosso lateral mito/monstro Edilson, o provocador!

Agora é se recuperar na Libertadores pra garantir a classificação às oitavas, depois é outro papo. Chegou também o Brasileirão e tenho certeza que entramos como um dos times mais difíceis de serem batidos na competição. O poder das arquibancadas será novamente essencial e que tenhamos casa cheia sempre! Que toda a torcida tenha fé no trabalho do Mano Menezes e no grupo(excelente) de jogadores.

Parabéns a toda nação azul pela união time-torcida.

Cumprimentos celestes a todos,

Por Rodrigo Miguel
Twitter: @foxbrasil_pro
Foto @superfc/O Tempo

Compartilhe!
  • 240
  • 4
  •  
  •  
  •  
    244
    Shares

Deixe sua Opinião