Fazendo contas…

E o Brasileirão já está dando sustos em muitos times que se acham uma potência. Alguns já estão com a calculadora na mão, para saber onde e quando será o grito de libertação. Haja vista o Z4 deste início de campeonato. Times que costumam ameaçar a briga pelo título, já se encontram em uma situação nada cômoda e precisam urgentemente de uma boa sacudida, pois o tempo passa rápido demais para quem tem pressa e não encontra a tão sonhada luz no fim do túnel.

Confesso que não estou nem um pouco empolgado com as atuações do Flu, apesar de se encontrar em uma posição confortável no meio da tabela. Ganhamos de dois times que estão na fase de baixo (Z4) da tabela e conseguimos um empate com o Curinthians, enquanto fomos massacrados pelo galo.

Mas nada de empolgação, porque quem viu o jogo de ontem percebeu quanto fragilidade tem o nosso time, com elenco resumidíssimo. O Wagner e o Fred em campo, totalmente exaustos e os corneteiros reclamam do treinador que demora para mexer no time. Mas aí eu olho pro banco de reservas e vejo a “qualidade” do elenco. Então percebe-se o porque que ele não mexe. É melhor deixar os dois em campo cambaleando do que colocar outro que não corresponderá à atura do que se espera de um jogador profissional.

Ainda sobre ontem, o apitador quis dá uma ajudinha ao pessoal do Z4, mas não adiantou muito não. Aquela expulsão foi algo que  ninguém entendeu. O cara disputou a bola de igual pra igual, não tendo a menor intenção de machucar o outro. Foi um lance completamente normal e muitos acharam que não seria nem lance pra cartão amarelo. Talvez pressionado pelo pênalti duvidoso, quisesse de alguma forma compensar o “erro”.

Mas mesmo assim, o time mostrou uma certa raça que não estava sendo vista nos jogos anteriores. Agora, tomar dois gols de cabeça num mesmo jogo, mostra que a nossa zaga precisa de uma atenção ainda maior. Quase não ganham uma bola por cima. A saída de bola também não está agradando em nada. O ataque é o ponto forte. Se a bola chegar, o matador e maior goleador do novo Maraca, não perdoa.

É, portanto, hora de acumular uma gordurinha, porque depois que todo mundo entrar pra valer, a situação será outra. Quem tiver mais pernas vai se salvar. Todos dizem que os cariocas não brigam por nada neste ano. Mas eu acho que brigam sim. Brigarão por uma sobrevivência na elite do futebol nacional.  Como já disse aqui em outros comentários, conseguiram acabar com o futebol mais do Brasil, que era o futebol carioca.

Prova disso, foi o público presente ao Gigante Maraca, pouco menos de 30.000 presentes. Clássico que antigamente, até mesmo se fosse jogo amistoso, dava no mínimo 60.000. Claro que a realidade é outra. Mas, se analisarmos friamente, vemos que não tem realmente nenhuma atratividade interessante ao torcedor. Apenas a rivalidade conta no momento. Futebol mesmo, só na telinha, acompanhando os jogos internacionais, onde o que de melhor acontece dentro das quatro linhas.

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe sua Opinião