Feliz Dia da Mentira ao profeta Goulart

Injustiças, quando cometidas, devem ser corrigidas a tempo. Faço aqui o mea-culpa por não entender a profecia do tal Goulart no fim do ano passado. Hoje, véspera do dia que ele tão ferozmente anunciava àquela época, percebo o quanto nós, atleticanos, fomos injustos com o rapaz.

Por total falta de conhecimento do calendário de 2015 ou até mesmo pela cegueira que rege a paixão alvinegra que carregamos no peito. Paixão que modinha não é capaz de entender, eu sei.

O jovem profeta, que depois disso arrumou as malas e foi pra (conchin)China, referia-se apenas e tão somente ao 1º de abril, mais conhecido como Dia da Mentira. Essa é a quarta-feira que ele dizia estar por vir. Agora sim, faz todo sentido.

Mas e as piadas, os memes, os posts no facebook e as mensagens do WhatsApp? Como retirar tudo o que foi dito de novembro para cá? Pedir perdão adianta, meu caro? Temo que não.

Talvez estivéssemos embriagados pela alegria por ganhar um torneio nacional em cima do time da Enseada das Garças. Pode não justificar, mas explica o nosso lapso. Acusamos o indivíduo de arrogância, quando ele apenas queria fazer uma homenagem a Pinóquio, o seu ídolo. De forma lúdica e pura, coitado. Quanta crueldade!

E agora, Goulart? A festa não acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou e você partiu, não é mesmo? Foi em busca de novos ares e nós ficamos aqui, sem entender o seu recado. Feito bobos a festejar o passeio que teve início no Palácio do Horto e culminou na volta olímpica no salão de festas da Pampulha.

Agora que entendi, fico a me perguntar: fomos mesmo campeões da Copa do Brasil? Com toda aquela supremacia e facilidade na final? Creio que não. Só pode ser mentira. Aliás, nem tampouco verdade deve ser que eliminamos o ‘classificadaço’ urubu carioca na semifinal. Até porque não poderia ser verdade que Edcarlos fez aquele quarto gol diante do ‘todo poderoso’ já no apagar das luzes, ainda nas quartas-de-final.

Luzes? Não, não e não. Não me diga que os refletores do caldeirão não se apagaram naquele memorável 10 de julho de Dois mil e Galo. O turco nos enganou e nos fez até mesmo acreditar que um paraguaio escorregaria em 24 de julho do mesmo ano.

Fiquei confuso agora. Vou lá na sede de Lourdes para ver se a taça da Libertadores é real. E se a da Copa do Brasil também. Aliás, preciso checar antes se São Victor tem mesmo o pé esquerdo ou se é apenas um saci. Fantasiado de herói. Por falar em herói, melhor conferir também se Ronaldinho Gaúcho esteve no melhor CT do Brasil em algum dia de sua vida.

Entre tantas confusões de última hora, uma coisa é certa: o tal Goulart, se não der em nada jogando futebol, pode escolher entre duas carreiras a seguir: comediante ou profeta. Feliz Dia da Mentira, Goulart! Feliz quarta-feira. E nem adianta tremer, porque a brincadeira não acabou. Tem mais!

 

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe sua Opinião