La garantía soy yo!

Salve Nação Azul

Ahhh, esse período de inter-temporadas…
A toda hora surge um novo super-jornalista com uma super-bomba pra jogar no meu Cruzeiro.
As redes sociais fervem.
Meu celular trava de tanto disse-me-disse.
É só surgir um nome novo que a galera fica em polvoazul (sim, porque polvorosa é coisa da turma duladilá)!
Mas um detalhe me chama a atenção (ou me llama atención, em bom portunhol): como o povo tem predileção por inventar craques oriundos do países estrangeiros, especialmente dos sulamericanos.

Depois do sucesso de Sorín, Moreno, Maldonado, Aristizábal e Montillo (sem contar Revétria e Perfumo, na década de 70, e os bons Ariel Cabral e De Arrascaeta), a todo instante nossos pseudo-periodistas querem cravar um novo forasteiro no Maior de Minas.

Esquecem-se, porém, da quantidade de fiascos (ou Riascos) que passaram por aqui que não falavam português. Vou me dar ao trabalho de lembrar a vocês alguns desses ‘excelentes jugadores’ só nos últimos 20 anos!

Alguns tiveram passagem até razoável.

Viveros (armador colombiano, 2000), Victorino (o beque uruguaio é bom zagueiro apesar do DM), Willian Andem (bom goleiro camaronês, mas que sofreu com a chegada do Dida), Martinuccio (que junto a Montillo, ajudou demais o Cruzeiro em 2012, mas é da mesma linhagem de Victorino).

Outros vieram como craques, mas foram decepção total:
Freddy Rincón (multicampeão pelo Palmeiras e Corinthians, pegou nossa grana em 2001 junto com Edmundo, enganou a todo mundo e foi embora sem deixar saudades), Héctor Tápia (fazia dupla de ataque da seleção chilena, mas em BH só fez usar faixinha no cabelo e matar torcedor de raiva), Palacios (o craque peruano que nos conduziria ao título mundial frente ao Borussia; jogou 7 jogos e foi embora com as demais estrelas de aluguel), De La Cruz (lateral equatoriano, chegou com status de titular da seleção local e parecia uma avenida!), ou Guerrón (um Marquinhos com grife: ou corre, ou pensa).

Ano passado tivemos o Samudio, regular, que fez um gol importante na Libertadores 14 no Mineirão, depois sumiu.

Outros merecem apenas citação para ver como a coisa é. Da série ‘Ninguém lembra’…
Espinoza (tipo Paulão Caveirão), Espínola (zagueiro paraguaio, quem?), Sotelo (meia paraguaio, quem #2?), Quintana (meia paraguaio, quem #3?), Reina (meia colombiano, foi jogar no Ceará, depois desapareceu)

Acham que eu ia me esquecer da nossa dupla de ataque naquele fatídico jogo do ‘Barcelona das Américas’ contra o Once Caldas, em Sete Lagoas?
Era gringa!
Sem Wallyson, Wellington Paulista e Thiago Ribeiro, mas com a classificação adiantada pela vitória fora de casa, a nossa dupla dinâmica foi nada mais, nada menos que Farías e Ortigoza (ai meu corassãun)!
A atuação foi sofrível, e a derrota, marcante!

Fora o bando de gringo que desembarcou na Toca no ano passado sem dar nada por conta:
Riascos, Seymour, Mena, Joel

Ainda tem Fidel Martinez e Prediger, que sequer entraram em campo.
Fidel depois foi ser craque no futebol mexicano, mas nem chance teve aqui nas Geraes.

Olhem o time que montei:
Andem
De La Cruz, Espínola, Espinoza e Samudio
Rincón, Sotelo e Palacios
Tapia, Riascos e Joel

Gente, pelo amor que vocês tem a Deus e ao Cruzeiro.
Muito menos, não é?

Olhem os nomes mais comentados da semana para vestir nosso azul em 2016:
Leandro Fernandéz, Juan Cazares, Federico Mancuello, Matías Pisano…
Até um volante uruguaio que ninguém nunca viu apareceu especulado aqui!

Mas dessa lista, dois nomes chamam a atenção: Maxi Rodriguez e Giovinco.

A primeira notícia diz que o presidente Gilvan ofereceu um caminhão de dinheiro pelo meia argentino de 34 anos ao seu empresário, mas o jogador sequer quis ouvir a proposta.

Outra diz que o ótimo meia italiano (!), destaque do futebol norte-americano que já defendeu a Squadra Azzurra tem negociações com o Cruzeiro.

Por que escrevi esse texto todo, defendendo alguns e atacando outros, falando sobre estrangeiros?
Porque concluí duas coisas:

1- Não basta falar outra língua para ser craque!
A nossa torcida tem que parar com esse negócio de que volante uruguaio é melhor que volante brasileiro só… porque é uruguaio!
O Cruzeiro vai perder pro Palmeiras (de novo o Mattos) o ótimo volante Jean, de excelente saída de bola, passe e bola parada. Ou seja há no mercado nacional ótimas opções. E não me venham com os Luiz Antônios da Vida, senhores!

2- Há na imprensa mineira um milhão de pessoas querendo detonar o Cruzeiro.
O caso Giovinco é o exemplo perfeito.
O cara ganha horrores de dinheiro na MLS.
Segundo a própria reportagem, o Barcelona também anda paquerando o jogador.
Quais as chances dele vir pro Cruzeiro? Sério…

Concluo apenas dizendo que: muito cuidado nessa época, minha gente.
Já sofremos muito no ano que termina com más contratações.
Não é de balde que se contrata.
E não é dando ouvidos à imprensa rosa para depois pressionar aos nossos diretores que haveremos de fazer um time vencedor em 2016.
Há muita água para passar debaixo da ponte até à pré-temporada.
Mais jogadores serão dispensados, o elenco será drasticamente reduzido.

Confio nessa diretoria!
Acredito que virão dois ou três jogadores para serem titulares, para qualificar o elenco.
Outros virão para melhorar o banco (por exemplo, melhor um Douglas Coutinho do que um Marinho).

Por fim: não é com quantidade que se faz um elenco campeão.
E nem todo jogador da língua enrolada é craque.
Atentemo-nos!

Dá-lhe Cruzeiro!

Abraços a todos, saudações celestes, fiquem com Deus!
Até a próxima!

por Rogério Lúcio
Twitter: @rogeriolucio77

(Foto: Goal.com)

Compartilhe!
  • 9
  •  
  •  
  •  
  •  
    9
    Shares

Deixe sua Opinião