O autêntico gremista nos deixou

Nessa quarta-feira era o Dia do Futebol. Também dia de Grêmio, da terceira vitória consecutiva, de encostar ainda mais no Corinthians – agora são seis pontos de diferença. Mas, também foi um dia de tristeza para a nação tricolor. Nosso torcedor-símbolo, Francisco Paulo Sant´Ana partiu aos 78 anos.

Jornalista, nunca escondeu a sua paixão pelo azul, preto e branco. Para quem é de fora do Rio Grande do Sul, Santaninha figurava como uma espécie de porta-voz da torcida no rádio, TV e jornal.

Tirava onda do lado vermelho do Estado, sempre com inteligência e irreverência. Tanto que era, ao mesmo tempo, odiado e respeitado pelos arquirrivais. Paulo Sant´Ana zoava dos adversários, especialmente do Inter, quando a intolerância era menor.

Declarava-se gremista abertamente, algo inimaginável nos dias de hoje em que prepondera o politicamente correto. Em suas quase oito décadas de existência, viu o Tricolor conquistar campeonatos estaduais, o mundo, ser bicampeão brasileiro e da Libertadores, campeão da Recopa Sul-Americana e pentacampeão da Copa do Brasil.

Além disso, conseguiu presenciar um feito inédito: a queda deles para a Serie B do Campeonato Brasileiro, o momento de maior alegria em se tratando de rivalidade.

Santaninha não media esforços para falar do Grêmio, seja nas horas felizes ou tristes. Carregava consigo uma célebre frase: “Ser gremista é o sonho delirante de não conseguir na vida ser uma outra coisa.”

Na despedida do velho casarão, em 2011, foi ovacionado pela massa ao dar uma volta no estádio trazendo a placa com os dizeres “Adeus Olímpico”. No final do ano seguinte, esteve in loco na inauguração da Arena.

Pablito, tu és imortal. Tenho certeza que o céu ficará mais azul a partir de agora.

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe sua Opinião