Posso até duvidar da vida, mas do Galo não tem jeito

Depois de alguns dias de desânimo total, eu resolvi acreditar. Assim mesmo, de repente, num lampejo a la Cazares em seus melhores momentos com o manto. Acredito no Galo. Nos milagres de São Victor, na recuperação do Luan, nos gols do argentino matador, nas pedaladas do sorridente menino Robson. Na capital gaúcha, o churrasco vai ser de queijo. Anotem aí.

O principal motivo para o meu ‘eu acredito’ veio com a notícia da demissão do Marcelo. Bonzinho, atleticano, gente boa. Nele eu não acreditava. Vai na hora certa e com a certeza de que será sempre lembrado por nós. Pelos gols que fez como jogador. Como técnico, não deixará saudade alguma. A sua demissão era a crônica de uma morte anunciada. Sem ele, o botão do eu acredito está ativado e a conversa com Deus segue a pleno vapor.

Ele não vai esquecer da gente logo agora. E sim, meu caro. Essa é a principal questão para Deus nesse momento. Ele é Galo. Doido como nós. E sabe que uma virada em Porto Alegre é o milagre que tanto desejamos. A derrota por dois gols de diferença é a senha que Deus precisa para fazer as suas maluquices. Que seja feita a vontade Dele então. Amém.

Não me venha falar em loucura ou delírio. O atleticano nasce assim e não se incomoda com isso. Por isso levava mexerica para o campo quando o que nos restava era acreditar no tal Márcio. Já fomos para o salão de festas da Pampulha gritar o nome do Curê. Levamos o Guttemberg à Selecinha da CBF e fizemos o Obina acreditar, de fato, que era melhor do que o Eto’o. O atleticano é capaz de milagres também e o Brasil já se acostumou com isso. Azar dos simpáticos gremistas, torcedores que têm o meu respeito.

Eliminar classificadaços virou sinônimo de Atlético. É a nossa sina e com ela vamos até o fim. Claro que está complicado e que o Grêmio tem tudo a seu favor. Mas a Massa não vai desistir agora. Vamos abraçar esse time e gritar até sangrar a garganta. Se der certo, é hora do Brasil se render a essa doideira alvinegra que toma conta de Minas Gerais. Se der errado, de nada vai adiantar a histeria das Marias. Ao invadir as redes sociais após a derrota alvinegra no primeiro jogo, esqueceram-se, sabe-se lá como, que quarta-feira teria mais. E quando tem Galo em campo, meu amigo, o impossível sai de cena e vira história.

Imagem – Gabriel Castro

Compartilhe!
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share

Deixe sua Opinião