Senta aqui, Luiz Antônio…

Senhor Luiz Antônio Venker Menezes,
Mano!

Em Maio de 2015, quando Marcelo foi demitido do Cruzeiro, fui uns dos primeiros a defender sua vinda para comandar nosso time. Por sua capacidade de arrumar a casa, de montar times fortes defensivamente e rápidos no ataque.
Pelo seu perfil sério e estudioso. Mas Gilvan quis que viesse o Luxa.
Luxa veio.
Luxa foi.

E no dia em que ele foi mandado embora, exatos 31 dias do mês de agosto de 2015, eu vim novamente a público clamar pela sua presença para salvar o Cruzeiro. Você veio e deu ajuste rápido, colocando para jogar bola alguns inacreditáveis Paulo André, Williams, Fabrício e Bigode. Tivéssemos mais três rodadas e o time teria chegado a uma impensável Libertadores. Era a redenção depois de um 2015 sofrido. E também um clamor, pois saíamos à frente para o ano por vir.
Mas no fim de novembro, virando para dezembro, em meio a essa alegria toda, veio a China.
E é nesse ponto que mora nossa prosa, Mano!

Não se apresse em se levantar. Pegue a cuia, o mate, que vou lhe levantar algumas questões.
É que em Outubro, quando a coisa estava bonita e bem engrenada, ninguém botou palavras na sua boca. Foi o senhor que veio aos ventos todos dizer O MAIS IMPORTANTE é a projeção enquanto técnico no mundo, coisa que nem um excelente salário iria lhe fazer mudar de ideia.

O MAIS IMPORTANTE!
Pesado, não? Desculpe a desconfiança, Luiz.
Mas é que um tempo antes o senhor, de perfil sério, havia se comprometido com o Cruzeiro em 2008 mas preferiu treinar o Corinthians na série B por mais dinheiro.
Claro, sem hipocrisia. Todos trabalhamos por dinheiro. Mas sou mineiro, trato as coisas no fio do bigode que não tenho.

E seu discurso mudou.
O MAIS IMPORTANTE em sua carreira mudou. E caiu por terra seu perfil sério. Pois quando você viu as cifras, começou a falar em ‘analisar mais objetivamente’, em ‘pesar prós e contras’… Resultado: foi pra China e viu que seu primeiro discurso é que era o certo; se estrepou por lá, perdeu moral, passaram a desconfiar do seu caráter… mas você se endinheirou, o pró de todos esses contras!
Do lado de cá, como deve ter visto, a coisa caminhou de mal a pior. Seu aprendiz, o Deivid, foi içado a técnico e, aliado à teimosia do Gilvan, nos fez perder a pré-temporada e metade do ano. Veio o português, coitado. Tentando dar rumo à nau.

Não acho o Bento o culpado dessa situação. Ela começou lá em novembro, na tal proposta. No tal ‘o mais importante’… Essa fase horrorosa começou na sua falta de palavra, Mano! Em 6 de dezembro passado eu lhe disse que, no seu caso, que danem as palavras. O que você falava hoje, ‘desfalava’ amanhã. Simples assim!
Pois eu não, Mano! Sou diferente.
Torço demais para que dê certa essa sua missão de resgatar, de novo, o MEU Cruzeiro. Mas quero muito que em sua reapresentação, alguém da Imprensa Rosa lhe coloque essa faca na garganta; lhe deixe por demais sem graça ao questionar sobre esse rumo que o senhor resolveu dar à sua carreira.

Eu espero sua resposta, Mano. Suas desculpas esfarrapadas, suas palavras ditas tidas como não-ditas…
Sinceramente? Um conselho!
Seja mineiro dessa vez. Não fale muito, opte pelo trabalho apenas. De você, a gente não precisa mais de compromisso. A gente sequer confia no seu perfil sério. A gente espera, mesmo, só os resultados.

Ainda vamos comemorar juntos, Senhor Mano Menezes.
Mas o cristal do caráter, O MAIS IMPORTANTE, esse você o quebrou… e ele não cola mais!

Dá-lhe Cruzeiro!

Abraços a todos, saudações celestes, fiquem com Deus!
Até a próxima!

por Rogério Lúcio
Twitter: @rogeriolucio77

(Foto: Thiago Fernandes/Uol Esporte)

Compartilhe!
  • 37
  •  
  •  
  •  
  •  
    37
    Shares

Deixe sua Opinião