Tombou? Levanta que tem mais jogo…

Salve Nação Azul!
Sabe aquele dia em que perder te faz um bem tremendo? Pois cair ante a Tombense tirou o Cruzeiro do topo da classificação mas acordou o time para se achar e disputar algo maior.

Perdendo força em casa
O Maior de Minas não havia perdido esse ano. Mas ao contrário dos anos anteriores em que o time fazia do Mineirão o seu abatedouro, os empates contra os menores Caldense, Huracán e Mamoré, somados à derrota frente à Tombense mostraram um Cruzeiro muito apático quando encontrava uma time retrancado e de defesa sólida. Outrora, esses quatro jogos que citei seriam vitórias fáceis e maiúsculas, mas ainda assim, perder teve seu lado bom.

Tirou a nuvem
Perder pra Tombense no domingo tirou a nuvem da invencibilidade que encobria o péssimo futebol. Um ou outro tempo inteiro bem jogados (sobretudo nas etapas finais), mas nada mais que isso. Some-se a isso um não-contar de erros bisonhos que denotam pouco entrosamento e concentração nos jogos menores.

Outra atitude na Libertadores
Eis que a prova seria o que viria a seguir, como adiantei dias atrás: chegou o decisivo mês de Abril. Com ele, o jogo contra o Mineros, primordial para selar a primeira colocação num grupo frágil. Pois parece que o time bateu a poeira muito rápido, já que a atitude foi outra. Pressionou o time venezuelano desde cedo e matou o jogo com dois gols antes dos 15 minutos. Além disso, mesmo tendo semifinal no próximo domingo, o time não se omitiu e atuou bem durante toda a partida, matando com o 3×0 clássico.

Antológico
Não teve quem não jogasse bem contra o Mineros. Para mim, Henrique foi o melhor em campo, coroado com um gol e ladeado por um Willians muito guerreiro.
Mayke (até que enfim), Mena, Alisson e Damião também jogaram muito bem.
Mas o melhor do espetáculo foi o antológico gol de bicicleta do menino Giorgian De Arrascaeta.
Ajeitou o corpo e mandou a puxeta pra fazer balançar o barbante venezuelano.
Merece placa!

Fabrício: ótimo reforço
Resenhando com os amigos boleiros, uma coisa é unânime: o Fabrício, nosso novo reforço, é o melhor lateral-esquerdo em atividade no Brasil.
Seu estilo peladeiro, de não guardar posição em campo, lembra (guardadas todas as devidas proporções) o ídolo eterno Juampi Sorín.
Pelas palavras que ouvi do professor Marcelo ele jogará mais solto, à frente do Mena, no lugar do Marquinhos.
Precisa apenas colocar a cabeça no lugar e parar de fazer as incontáveis besteiras que o afastaram do Inter. Mas em BH terá o apoio da torcida e o carinho que precisa para fazer apenas o que sabe de melhor, que é jogar o fino da bola. Bem-vindo, garoto!

Agora, rumo à final!
Trezentos e doze jogos sem vencer as Frangas.
Nenhuma vitória fora de casa contra as Frangas desde a reinauguração do campo do América.
Está na hora de mostrar a força e a tradição da camisa azul ante os zebrados de Vespasiano!
Time completo, reforçado pelo Fabrício, Damião em boa fase, time querendo voltar a jogar bola… são muitos os ingredientes que devem alavancar o Cruzeiro à vitória neste domingo.
Então, bora Cruzeiro! Ganhar lá e cá, carimbar vaga à final estadual, exorcizar qualquer fantasma e devolver a galinhada ao lugar de onde nunca deveriam ter saído: o limbo!

Dá-lhe, Cruzeiro!

Abraços a todos, saudações celestes, fiquem com Deus!
Até a próxima!

por Rogério Lúcio
Twitter: @rogeriolucio77

(Foto: Rodrigo Clemente / EM-DA Press)

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe sua Opinião