Vai ser no grito!

Salve Nação Azul!

Ok, Cruzeiro: nós já entendemos!

A força que vai seguir te reerguendo nesse ano duro será a nossa voz!

Não foram poucos os que se assustaram com nosso grito nesse ano. Afinal, é só abrir as manchetes de jornais e internet e ver o quanto temos sido elogiados. Notas dão conta de que ‘uma incrível torcida, num time lutando para sair das posições finais do campeonato, tem média MUITO superior a certos times em que a torcida só vai na boa, mesmo que esteja em posições superiores’.

Prova disso foi a boa, mas sofrida vitória contra o Grêmio, e a convincente supremacia ante a Ponte.
Em ambos a torcida fez seu papel de sempre: cantou, apoiou até o final. Foi de verdade o camisa 12.
E parece que o efeito se fez em campo: o capitão Henrique, em entrevista nesse final de semana, afirmou de forma categórica que a doída derrota para o Flamengo e o recado da torcida na arquibancada contra o Grêmio foram deglutidos pelos jogadores, que vão se desdobrar o quanto puderem para sairmos do sufoco o quanto antes.

Além disso, muita coisa parece corroborar para o bom final:
– a rodada foi perfeita, todo mundo perdeu ou empatou, e só o Cruzeiro venceu;
– a defesa se portou muito bem, especialmente a partir do segundo tempo do jogo contra os tricolores gaúchos (porque o primeiro tempo foi de um Deus nos acuda tremendo);
– vencemos pela primeira vez duas seguidas em casa no ‘doblete’ (duas rodadas seguidas em casa);
– Mano Menezes entendeu que Lucas não pode ser jogador de time de série A, ou B, ou C…

Falta só o Mano perceber que Romero não pode ser reserva. Cabral jogou muito em 2015 mas não vem conseguindo dar consistência ao setor de marcação. Já seu compatriota mostrou contra a Macaca porque não pode ficar de fora; ele alivia demais a barra dos zagueiros fazendo o serviço ‘sujo’ de correr, marcar, lutar, roubar a bola. E ainda chega com razoável qualidade no apoio, sendo mais uma opção de surpresa à defesa adversária.

Outra mudança que Mano fez no time muito a nosso contragosto mas que, admitamos, é coerente e fortaleceu a meiúca, foi a entrada do participativo Rafinha em detrimento ao brilhante mas desligado De Arrascaeta.
E o tal do Robinho joga muita bola!

Olha, não sou louco nem iludido. Sei de todas nossas mazelas, mas sou capaz de afirmar que se o Cruzeiro não cometer os mesmos erros de ataque (leiam Ábila não perder gols bobos) cometidos contra o Flamengo, de que o Palmeiras não terá vida fácil. Corre o sério risco de perder o jogo e embolar o campeonato.
Pra qualquer efeito, o fato é de vamos todos nós a campo novamente. Em casa ou fora dela, com mil ou trinta mil, seremos sim a voz do Cruzeiro em campo.

Vai ser no grito!

Dá-lhe Cruzeiro!

Abraços a todos, saudações celestes, fiquem com Deus!
Até a próxima!

por Rogério Lúcio
Twitter: @rogeriolucio77

(Foto: Espn FC)

Compartilhe!
  • 12
  •  
  •  
  •  
  •  
    12
    Shares

Deixe sua Opinião